Bem Vind@s a Des@lienação

Sem Pretensões […]

Arquivos Mensais: setembro 2011

‘O Amor é quando a gente mora um no outro’

 

Fechei os olhos para não te ver /

e a minha boca para não dizer… /

E dos meus olhos fechados desceram lágrimas que não enxuguei, /

e da minha boca fechada nasceram sussurros /

e palavras mudas que dediquei… /

O amor é quando a gente mora um no outro.

[ Mário Quintana ]

#CulturaParaTod@s

@garebua

Anúncios

PURGATÓRIO

 

 
[ vimeo http://www.vimeo.com/22917985 ]

PURGATÓRIO (João Filipe Silva e Pedro Miguel Silva)

Hoje é um dia diferente.

Liberto-me da escravidão da rotina e, curiosamente, não sinto receio da mudança. Depois de tanto tempo imerso na solidão, sinto-me preparado para iniciar uma nova etapa.

Preparar-me para sair tornou-se um ritual. O sobretudo tem um efeito reconfortante imediato compensando, de certa forma, o incómodo de envergar a protecção visual - a mais importante, o escudo que protege os olhos do efeito corrosivo da atmosfera. Faço isto há demasiado tempo mas ocorre-me que tudo passou rápido demais. A atmosfera rarefeita parece-me, pela primeira vez, estranhamente agradável. Começa a parecer-me bela.

As consequências da catástrofe reflectidas na paisagem continuam a impressionar-me mesmo depois de todo este tempo. Principalmente a desolação do cenário. Não obstante, é incrível aregeneração da natureza ocupando agora o espaço outrora moldado pelo homem.

Depois do apocalipse o tempo parece ter parado, o purgatório apagou a chama da promessa divina. O castigo parece-me agora tão apetecível como a redenção. Deus esqueceu-se de mim.

Mas a mudança começa dentro do meu ser. Tudo me parece mais claro quando me aproximo do objectivo. Emociona-me pensar neste último balão: será especial, mais do que todos os outros que já voaram das minhas mãos rumo ao desconhecido, ambicionando chegar a outro alguém igualmente perdido ou apenas só.

O trajecto aleatório do balão é uma analogia perfeita da minha própria condição. Opto pela incerteza do fim sobre a certeza desta monotonia solitária.

E à medida que o efeito do veneno se tornar evidente, um último espasmo de felicidade percorrer-me-á o corpo.


                                                                                                     #CulturaParaTod@s
 @garebua




ps. Não sei pq mas o vídeo não quer 'aparecer', clique no link, dá na mesma :)